terça-feira, 28 de setembro de 2010

O dia em que joguei tudo pro alto

Trabalho, casa,
Família,
Janta em família
Novela...

Salário baixo
Trabalho chato,
Chefe mala,
Gente chata,
Casa....

Contas pra pagar, aluguel
Falta tanta coisa
Cargo baixo,
Sem viagens, novidades,
Só trânsito pro trabalho

Acordo desejando que o dia acabe,
e durmo tarde,
Desejando que o outro dia não comece
E sonhos, bem,
Estes que parecem tão distantes

E levanto, bato o ponto,
Trabalho olhando pro relógio,
Esperando que rode mais rápido,
E os dias demoram pra passar,
Quando chega cada Natal e Ano Novo
Percebo que tudo passou tão rápido
E nada mudou muito,

Saco cheio,
Entediado,
Frustrado,
Me sentindo alijado pelo sistema
De gente hipócrita, mesquinha e limitada
Podado de todos meus sonhos mais nobres
Por vencimentos
Que de vencer não tem nada
São a minha perdição

Colocação social,
Status,
Dinheiro,
Fama,
Poder,

AAAAAAAAAAAAAAAAAA

Mas joguei toda essa porra pro alto,
Eu fugi, fui pro meio do alto
Morar com a natureza
Fugir do concreto,
Cinza e feio
Fugir do asfalto,

Adeus à gravata
Adeus ao chefe
Adeus a tudo
Adeus a todos os insuportaveis códigos e conveniências sociais

ADEUS!

Adeus a tanta gente má
Pra hipocrisia,
Pra política,
Governantes e suas mentiras
A tecnologia e suas necessidades desnecessárias
O consumo fútil

Adeus a essa monotonia
Ao cheiro de escritório,
Ao diploma, à carreira,
Ao marketing barato

ADEUS!

Joguei tudo pro alto,
Fui a forra, e às favas
Mandei todos
Agora vivo de música e poesia
Amor e sexo,
Não enjoativo, cumulativo,
Como em todos os casamentos

Vivo pra mim vivo de mim
E pra mais ninguém
E vivo feliz!
Por que um dia resolvi jogar essa porra toda pro alto!

Agora olho pra sentimentos
E não com instituições
Caretas, corroídas e hipócritas

Joguei toda essa merda pro alto,
Fui feliz!
Sou feliz,
Fugi, e renasci,
Vivi

Se o mundo não me entende
Não sou obrigado a entendê-lo
Esse mundo criado para aparências,
Conveniências e falcatruas,
Gente falsa, hipócrita e infeliz

Só entendo agora as coisas
Simples e belas da vida

ADEUS!
Joguei toda essa porra pro alto!

3 comentários:

rai2007 disse...

Seria ridículo se Jesus Cristo usasse gravata e sapatos da Gucci.
Gpstei do teu poema,rapaz.

kamyla Lima disse...

Adorei! Muito inspirador!! :p

Eduardo Matos disse...

Capitu, muito bom seu poema!
Mas espero que em breve você só tenha inspiração para poemas de Felicidade! Combina muito mais com você!
Abraço!