quinta-feira, 15 de maio de 2014

A Era da Ira




Guerra,
Pontos de vista tão divergentes
Trogloditas que não sabem dialogar
Conviver com opiniões tão diferentes

A palavra atual,
Está em tudo por um clique,
Start para a ira e guerra virtual,
Ódio barato que se multiplique

Direita, esquerda, centro
Já não sei mais pra onde ir
Há tanta mentira espalhada e tanta dor
Bem vindos à era digital do desamor

Pessoas não convivem mais,
Se conectam por algum lugar,
Vomitam a escória de suas almas,
Escondidas atrás de algum LCD ou com algo em mãos....

Que não conseguem mais largar,
Pois as faz não mais pensar,
E assim seguem sem amar,
Aprenderam a não tolerar e apenas odiar

Novas tecnologias agora são novas máscaras
Que permitem vomitar a podridão interior
Ora escondida pela reprovação dos olhares
Agora se compartilham e se multiplicam aos milhares

Na era do ódio,
Da violência,
Do superficial
Virtual...

Virtual é o amor,
Concreto é o ódio
Compartilhado com a violência de um tufão
Em uma difusa e maldosa repercussão

Violência é estimulada
A ira escancarada
Preconceito da massa,
Comunicação na mão errada

Eu só quero sair daqui,
Desligar,
E não me conectar,
Com todo esse ódio

Preciso das coisas mais simples da vida,
Para refletir e esquecer
Que um dia cheguei à triste conclusão:

A HUMANIDADE NÃO EVOLUI RÁPIDO COMO A TECNOLOGIA...
INFELIZMENTE...

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Cercas, grades, limitações




As cercas
Nos cercam às vezes,
E muitas vezes
Vivendo cercados por grades

A cidade, mentalidade
Povo e país,
Condomínio, clube
A igreja e a religião

Somos prisioneiros
Das convenções e padrões
Que nós mesmos criamos

A não aceitação
De toda essa doutrinação....

Tudo nos separa por grades, 
Essas fases,
Sentimento padronizado,
De apatia e depressão

Coletiva,
Insistentemente disfarçada,
Essa propaganda hipócrita do sucesso
Midiática, social, familiar

Puro disfarce....
Esse mundo feito de plástico.....

quarta-feira, 12 de março de 2014

O Auge das Nossas Vidas




O auge das nossas vidas,
É esse lugar calmo, lúdico e feliz
Protegido,
Pelos céus é ungido

Que tal como João,
Venceu o mundo,
Depois de tanta aflição
Tanto sofrer, tanta provação

E nada mais no mundo sangrento lá fora,
Nada mais nos importa,
Esse é o nosso lar, nossa casa,
Para todo o resto fechamos a porta

Nada mais importa
Esse é o auge das nossas vidas,
É para onde transcendemos quando estamos juntos
Nos transformamos em criaturas divinas

Que tal como Isaías e Ícarus
Voamos alto como águias
Nos renovando e nunca ficando exaustos
Andamos juntos,
E nunca nos cansamos

E tal como a Flor de Lótus,
O amor floresce lindo e brilhante,
Em meio à lama do mundo
Maldade, guerras, inveja, ganância

O amor nos protege em um casulo,
E nos faz viajar pelo tempo,
E quando do crepúsculo
Todas as mágoas e sofrimento passados se apagam
E o futuro de luz e anjos se abre

Nosso auge é lindo e digno
Corações não param de emoção
Amor tão longânime e benigno
O mundo para quando te pego pela mão

Obrigado por nos trazer,
Ao auge das nossas vidas
Onde os jardins são verdes e floridos,
Onde as trombetas tocam e os anjos cantam
Que nada nos tire daqui
Que Ele nos deixe aqui....

... no auge das nossas vidas


quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Carnificina Institucional






Aí estão,
A pão de ló
Voa no alto

Terno, gravata
Paletó,
Rasante planalto

De alta nata
Estirpe elegante
São tão ilutres

Carne nova,
Jaz putrefante
Vem como abutres

A sangria vai começar.
TV´s. internet, rádio
Rede nacional

O povo
Tão unânime
O Congresso Nacional
É pusilânime

Classe política
Malemolente
Sustenta esse sistema
Tão indolente

A carnificina
Nunca acaba
Grande mídia
Continua pacata

Sangra o povo
A agonizar
Nas veias desse país
Sangue a jorrar

Da justiça que não vem
É letárgica
Cure essa conjuntura
Hemorrágica

A carnificina
Sensacional,
Nada é escondido
É institucional

Grande imprensa
Não posiciona,
Querem manchetes
Não questiona

La vai o cidadão
Alijado
As garatias primárias
Lhe é negado

Cultura é lixo,
Sufocada pelo imediatismo,
Sugada pelo consumismo
Paralisada pelo comodismo

Classe média rasa,
Limitada,
Conservadora,
Mas explorada

Oligarquias oportunistas,
Exploradoras,
Chantagistas

Poderosos e políticos,
Assim se for eleito
Sangram um lindo país
Para próprio proveito

Segue carnificina,
Órgãos vitais,
A falência é múltipla
É viral

Segue o país
Tragicômico
Funcionamento público
Anacrônico

Verborragia
Patriótica
Qualquer mudança
Ilusão de ótica

Sangra o povo
Tudo legitimado
Usurpação
Pelo Estado

Enganação
Nacional
Carnificina
Institucional

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

Eu ficaria...



Falaria com você a noite inteira,
Te olharia essa madrugada inteira,
Te esperaria pela vida inteira,
Te acolheria pela eternidade inteira...

Te amaria,
Debaixo do luar,
À beira do mar,
Em solo lunar,
Em todo o sistema solar

Escreveria pra você
Mil poesias por você
A obra inteira da minha vida pra você
Um best-seller pra você

Abraçado assim a noite inteira,
Te vendo acordar a semana inteira
Ouvir seu suspiro minha vida inteira
Te desejar essa eternidade inteira...